Xi Jinping ameaça Taiwan com “castigo histórico” caso avance com tentativa de separação

A ilha chinesa autoproclama-se independente e soberana, mas Xi Jinping garante que as ações separatistas estão “condenadas ao fracasso” e serão devidamente punidas.

O presidente chinês, Xi Jinping, ameaçou esta terça-feira a província de Taiwan com um “castigo histórico” caso avance com alguma tentativa de separação da República da China. A ilha chinesa autoproclama-se independente e soberana, mas Xi Jinping garante que as ações separatistas estão “condenadas ao fracasso” e serão devidamente punidas.

“É uma aspiração partilhada por todos os chineses de que os seus interesses básicos para salvaguardar a soberania e a integridade territorial da China sejam salvaguardados e se realize a completa reunificação da China”, afirmou o líder chinês no discurso de encerramento da sessão anual da Assembleia Nacional Popular (ANP).

Xi Jinping garantiu que “quaisquer ações e truques para dividir a China estão condenados ao fracasso e serão punidas pelo povo e castigadas pela história”: “O povo chinês partilha a crença de que não é permitido e é absolutamente impossível separar um quilómetro que seja do território daquele que é o nosso grande país”.

No entanto, as tentativas separatistas têm vindo de várias frentes, como é o caso da Formosa, Hong Kong e Taiwan. No caso de Taiwan, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, incendiou os ânimos em Pequim, ao estabelecer em dezembro de 2016 o primeiro contacto telefónico com Taiwan, depois de as relações diplomáticas terem estado cortadas durante quase quarenta anos.

Atualmente, Taiwan tem apenas 21 aliados diplomáticos, vários deles na América Central. Nos últimos tempos, a China tem procurado pressionar Taiwan através do estabelecimento de relações diplomáticas com países que anteriormente reconheciam Taiwan. O caso mais recente foi o de São Tomé e Príncipe.

A China defende a “reunificação pacífica” com Taiwan, o chamado consenso de 1992, que prevê a ideia de “uma só China”, mas adverte que “usará a força”, no caso de a ilha ousar declarar a independência.

Ler mais
Relacionadas

Países ASEAN apelam ao fim do programa nuclear da Coreia do Norte

Os líderes dos países do sudeste asiático e a Austrália apelaram hoje à Coreia do Norte para que ponha fim ao seu programa nuclear e aprovaram um código de conduta para o Mar da China.

China adverte empresas estrangeiras que qualificam Taiwan ou Tibete como países

Marriott, Delta Airlines e Zara são algumas das empresas sob pressão das autoridades chinesas, tendo alterado as respetivas páginas na Internet e emitido pedidos de desculpas públicos.
Recomendadas

“Que Deus abençoe a memória daqueles em Toledo”. Trump engana-se no nome da cidade do massacre no Ohio

O presidente norte-americano referiu-se referiu a Toledo, e não a Dayton, nas suas observações sobre um dos recentes massacres onde morreram nove pessoas e outras 27 ficaram feridas.

A “Casa de Papel” na vida real: Assalto à Casa da Moeda do México leva dos cofres 50 milhões em menos de 4 minutos

Os assaltantes conseguiram desarmar um guarda e furar todas as barreiras de segurança até chegarem ao cofre de segurança, que estaria aberto. Em menos de quatro minutos, o grupo de homens roubou e fugiu do edifício sem que a polícia tivesse sequer chegado.

Japão testa drones que transportam pessoas para diminuir o trânsito

Os responsáveis pelo projeto apontam que os drones tripulados poderão ser uma solução para combater o trânsito: “O Japão é um país com uma densidade populacional muito elevada, e como tal, carros voadores poderão ser a solução para diminuir o trânsito no país”.
Comentários