Zona Euro mais perto de ter um ministro das Finanças

Merkel admitiu pela primeira vez que pode vir a existir um titular comum aos países da moeda única. Pierre Moscovici sugere que o papel pode ser cumprido pelo comissário dos assuntos económicos.

O aprofundamento da integração económica e política da Zona Euro está conhecer um novo impulso com a entrada em funções de Emmanuel Macron. A hipótese de criação de um ministro das Finanças para a região da moeda única, uma ideia antiga mas que o novo presidente francês tem vindo a defender, foi pela primeira vez admitida pela chanceler alemã, Angela Merkel. E já há pelo menos um nome em cima da mesa: o francês Pierre Moscovici, comissário europeu dos assuntos económicos.

“Pode-se pensar num ministro das Finanças conjunto se as condições de enquadramento forem as corretas”, disse Merkel esta semana, num encontro da Federação das Indústrias Alemãs, quando questionada sobre a proposta do presidente francês.

A chanceler mostrou ainda abertura para um orçamento da Zona Euro, outra ideia defendida por Macron, “desde que seja claro que isso irá realmente fortalecer a estruturas [da moeda única] e fazer coisas significativas”. Para Merkel, “não devemos falar sobre o que não funcionará, mas devemos pensar sobre o que faz sentido”.

As declarações da alemã são vistas pelos analistas internacionais como um avanço relevante. Henry Newman, director do instituto Open Europe, escreveu na Spectator: “Se a França e a Alemanha derem luz verde a uma grande mudança institucional na Zona Euro, será um desenvolvimento muito significativo para a UE”, no sentido de “criação de uma estrutura comum de tipo estatal”.

Quais seriam as vantagens de um ministro comum? Para Henry Newman, “criar uma arquitetura partilhada de um governo ‘económico’ é provavelmente a única maneira de garantir o futuro da Zona Euro”. Claro que há depois os riscos. Um super-ministro numa Europa dividida entre norte e sul, ainda a curar feridas de uma crise de dívidas soberanas, é o caminho certo? “Os eleitores em toda a Europa certamente se perguntarão se podem apoiar estas mudanças constitucionais”, questiona Newman.

Moscovici apoia ideia

O comissário europeu dos assuntos económicos, o francês Pierre Moscovici, também é favorável à criação de uma figura como um ministro das Finanças. Ontem em Madrid, defendeu uma forma simples de fazê-lo: o comissário com o pelouro da economia asseguraria em simultâneo as funções de presidente do Eurogrupo.

“Sou favorável a um ministro das Finanças da Zona Euro, não um ministro que seja superior ao ministro nacional, mas alguém que possa controlar de forma mais eficaz a Zona Euro, que tenha ao mesmo tempo a função de presidente do Eurogrupo e de comissário dos Assuntos Económicos e Financeiros”, declarou, num almoço com empresários em Madrid.

“Gostava que o meu sucessor fosse o primeiro-ministro das Finanças da Zona Euro”, afirmou. “Não sou candidato a nada. A minha proposta não é uma proposta pessoal, é uma proposta estrutural”. O debate está ainda numa fase bastante embrionária, mas há já nomes em cima da mesa: o próprio Moscovici. A pesar da modéstia revelada ontem ao rejeitar esse papel, uma semana antes não foi tão taxativo.

Em declarações ao Politico, Moscovici admitiu que ficaria feliz em fazer o trabalho. “Ficaria honrado, satisfeito, etc. para estar nessa função, preparei-me para isso”, disse, apesar de reconhecer que a UE ainda está longe de dar esse passo.

Artigo publicado na edição digital do Jornal Económico. Assine aqui para ter acesso aos nossos conteúdos em primeira mão.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo aprova aumentos de 700 euros para juízes, mas critica fosso salarial face aos polícias e militares

Marcelo Rebelo de Sousa destaca que os juízes, e membros de autoridades reguladoras e de supervisão a entidades públicas empresariais e empresas públicas, passando por outras entidades administrativas, já estão com salários mais elevados do que o primeiro-ministro. O Presidente exige que a desigualdade salarial seja “encarada na próxima legislatura”.

Incêndios florestais caíram 26% este ano face a 2018

“Estamos, até hoje, com 6.800 incêndios desde o início do ano, o que significa que temos um número de incêndios 36% inferior à média dos últimos dez anos. E uma área ardida 42% inferior à média dos últimos dez anos”, sublinhou Eduardo Cabrita.

Proteção Civil tem reservas de combustível para “mais de dois meses”

Apesar de garantir que existem reservas para mais de dois meses, Eduardo Cabrita sublinha que as prioridades têm de ser asseguradas quando se fala numa dificuldade de distribuição.
Comentários